Camponeses de Sergipe realizam 8º Encontro Estadual do MPA

Mais de 200 camponeses e camponesas participaram do encontro

Foto: Fernando Curado

Os camponeses e camponesas do Estado de Sergipe estão em festa. O município de Propriá, na região do Baixo São Francisco, recebeu entre os dias 01 e 3 de dezembro o VIII Encontro Estadual do Movimento dos Pequenos Agricultores – MPA/SE: “20 anos de Luta e Afirmação Camponesa – Por Nenhum Direito a Menos”.

O Encontro começou em clima de festa, reunindo camponeses de todos os territórios sergipanos. Uma mistura linda de mulheres, homens, jovens e crianças de todas as etnias e gênero que grita numa só voz “Nenhum Direito a Menos!”, embalada ao som da batucada da juventude camponesa.

As mulheres marcam sua presença no encontro do MPA. Prova disto foi à Plenária Feminista que marcou o debate pré-abertura do encontro em momento marcado pela afirmação do poder da mulher e de como precisam ocupar os espaços em todos os âmbitos da sociedade. Na oportunidade, foram apresentadas histórias e experiências das mulheres que fazem revolução na sua comunidade com seu modo de viver e produzir. A criançada também teve seu espaço. O MPA acredita que as crianças precisam aprender e estar presentes nos espaços de debate. Nesse sentido, a ciranda foi um momento de diversão, mas que cumpre a finalidade de transmitir ensinamentos políticos para os camponeses mirim

whatsapp-image-2016-12-01-at-22-37-14-1

Livro das mulheres do MPA que foram realizado o lançamento no Encontro. Foto: MPA

No primeiro dia, o encontro teve duas mesas. Esse encontro é especial, pois conta com a participação de diversos outros movimentos do campo e da cidade. Essa diversidade pode ser vista e percebida na mesa de boas vindas, denominada “Amigos do MPA” que teve como principal intuito saudar os participantes do Encontro e demostrar as pautas que unem os diversos movimentos. Nesse contexto, a morte de Fidel Castro foi assunto comum entre os componentes da mesa, questões como a PEC 55, conjuntura do golpe, defesa dos direitos sociais também apareceram fortemente.

A segunda mesa cumpriu a finalidade de analisar a atual conjuntura do país. O desmonte do Estado, incentivado pelo projeto neoliberal do governo ilegítimo atual foi analisado sobre a ótica do companheiro Frei Sergio, do MPA, Erick Feitosa da Consulta Popular e Paulão Confederação Nacional do Metalúrgicos da CUT (CNM/CUT). O dia foi completado com uma noite cultural riquíssima, que expôs toda criatividade dos camponeses. O Encontro seguiu com várias atrações, debatendo a conjuntura atual e reunindo forças para luta camponesa e operária.

Os mais de 200 participantes do Encontro do MPA/SE também participaram do lançamento do livro “Diversidade Produtiva das Mulheres do MPA”, o livro que foi escrito pelas camponesas do Movimento, como elas dizer: “foi escrito pelas nossas próprias mãos”. As mulheres do MPA ao desafiarem-se a escrever sua própria história também demonstram sua diversidade produtiva, revelando o alto poder de articulação e complexidade de saberes que as mulheres carregam e que lhes foi negado historicamente pela condição de invisibilidade a que foram submetidas. Este livro é a coletânea de ações e saberes de mulheres quer rompem este cerco, servido de motivação e aprendizado.

Deixe uma resposta