Construção de uma escola democrática é discutida no plenário da Alese

O papel da Juventude e suas organizações na construção da escola democrática foi discutido em audiência pública na tarde desta quinta-feira (10), no plenário da Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese)

Foto: César de Oliveira
A realização do evento é da deputada Ana Lúcia Vieira (PT), que trouxe para o debate, a estudante paranaense que virou símbolo na luta pela escola pública de qualidade, Ana Júlia Ribeiro e a professora e lutadora pela melhoria da educação, que acompanhou as ocupações das escolas públicas em São Paulo, Ana Lídia. 
Estudante Ítalo Clézio emocionou ao falar da sua escola | Foto: César de Oliveira

O evento foi aberto pelo estudante Ítalo Clézio Pereira dos Santos, de nove anos. Ele é aluno da Escola Estadual Júlia Teles, localizada no Conjunto Jardim, no município de Nossa Senhora do Socorro. Falando como “gente grande”, o garotinho empostou a voz para cobrar melhorias para a unidade de ensino que frequenta juntamente com dezenas de coleguinhas.

“A minha escola precisa de muitas mudanças, precisa ser reformada urgente. Está faltando tudo na Júlia Teles: segurança, carteiras, materiais de modo geral, higiene, melhorias nos banheiros. Quero cobrar das autoridades que enxerguem os estudantes das escolas públicas”, enfatiza lembrando que até fogo já atearam na Escola Júlia Teles.

Ana Júlia destaca a importância da luta | Foto: César de Oliveira

“Temos em média 600 alunos nos três turnos, do Fundamental menor até o Ensino de Jovens e Adultos (EJA) na Escola Júlia Teles. Como bem ítalo falou, a escola precisa muito de grandes reformas e não apenas de reformas de pequena monta. Precisamos de investimentos pois o problema acaba sendo de toda a sociedade”, acredita o professor José de Oliveira, conhecido como professor Zezinho.

Mudanças

No discurso, a estudante Ana Júlia destacou que os estudantes estão vivendo no Brasil, o que precisa ser mudado.

Estudantes atentos aos debates | Foto: César de Oliveira

“Estamos numa conjuntura de retiradas de direitos e de retrocesso e precisamos nos fortalecer. A gente tem que se unir porque o que a gente vai encarara daqui pra frente não vai ser fácil. Vai piorar muito. A gente está vendo o sucateamento das universidades públicas, dos institutos federais: a tentativa de implementar gestões privadas dentro das escolas (que é só um nome bonito para não ter que falar descaradamente que vão privatizar as escolas)”, ressalta.

Ana Júlia enfatizou a necessidade de intensificar a luta em prol de uma escola pública de qualidade e contra a privatização.

“A gente vai ter que lutar e lutar muito e não somente dentro das escolas, mas em espaços como esse que estamos ocupando hoje, em que muitas vezes ouvimos que não é lugar para crianças e adolescentes, só que na realidade é nesse espaço mesmo que a gente tem que ocupar. Hoje em São Paulo, está havendo uma ocupação na Câmara de Vereadores, contra a retirada do passe-livre estudantil, que é um absurdo. Não podemos ficar de mãos atadas”, destaca.

Professora Ana Lídia falou sobre a retirada de direitos | Foto: César de Oliveira

A professora Ana Lídia falou sobre a importância de chamar a atenção para um pacote de privatização anunciado pelo prefeito de São Paulo, João Dória e a retirada do passe-livre. “O passe-livre como uma conquista dos estudantes deve ser mantido. A retirada é um retrocesso não só em São Paulo, mas no país todo”, diz lamentando o aumento da evasão escolar.

A presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Sergipe (Sintese), Ivonete Cruz, disse que a Educação em Sergipe vive um dos piores momentos. “A política do governador Jackson Barreto, é deprimente. As nossas escolas estão destruídas e devemos pensar a escola pública como lugar do saber e não como palco de violência. Precisamos mudar esse cenário com uma ação unida entre estudantes e professores”, completa.

Uses

Lizandra, presidente da Uses, criticou o aumento da tarifa dos ônibus | Foto: César de Oliveira

A presidente da União Sergipana dos Estudantes Secundaristas (USES), Lizandra Dawanny ressaltou a proposta de aumento nas passagens de ônibus. “O prefeito Edvaldo Nogueira, de esquerda, está querendo junto com os empresários, aumentar as tarifas dos ônibus para R$ 3,98 quando deveria estar anunciando o passe-livre, que é um direito de todos os estudantes. Pagar 3,98 por um ônibus sem estrutura e sem segurança nenhuma. A gente ocupou as escolas e precisa ocupar mais e mais todos os espaços”, entende.

Deputados

Para a deputada Ana Lúcia, as audiências públicas são importantes para o debate de temas que dizem respeito à população. “Precisamos sim debater a educação pública de qualidade, da promoção da saúde e promoção da política cultural, enfim, debater os direitos fundamentais da pessoa humana. Tenho certeza que cada dia mais nós vamos transformar esse espaço realmente na casa do povo”, ressalta.

O deputado Georgeo Passos (PTC), comemorou o grande número de participantes na audiência pública.

“Quem acompanha o Parlamento sabe que geralmente nossas sessões são vazias de público, mas a deputada Ana Lúcia com essa visão de trazer temas importantes, propicia que os estudantes, professores, funcionários públicos e a sociedade, possam dialogar. A gente fica feliz de ver os jovens se expressando e as palestrantes passando conhecimento. Infelizmente a educação em Sergipe não vai bem e com isso, vários itens são prejudicados, como o aumento do desemprego e da violência. Mas percebemos que é possível mudar essa realidade”, acredita.

A mesa foi composta pelos deputados Ana Lúcia e Georgeo Passos, o vereador Iran Barbosa (PT), a presidente da Uses, Lizandra Dawanny, os estudantes Ana Júlia e Ítalo Clézio, além da professora Ana Lídia.

No plenário e nas galerias, professores e estudantes da rede estadual de ensino na capital e no interior, além de conselheiros tutelares.

A audiência contou ainda com a apresentação do grupo de percussão de jovens sócio-educandos da Fundação Renascer.

 

Deixe uma resposta