Edise e Comissão da Verdade promovem lançamento do livro ‘Documentos (In)Visíveis’, dia 19

No mesmo dia, a CEV e o projeto Memórias Reveladas também realizam a oficina ‘Documentos (In)Visíveis - Conhecendo os arquivos do SNI’

Foto: Marcelo Camargo/ABr

No próximo dia 19 de maio, a Editora Diário Oficial do Estado de Sergipe (Edise) e a Comissão Estadual da Verdade – Paulo Barbosa de Araújo (CEV) promoverão juntas o lançamento do livro “Documentos (In)Visíveis: Arquivos da Ditadura Militar e acesso à informação em tempos de justiça de transição no Brasil”.

De autoria de Vicente Arruda Câmara Rodrigues, o livro discute o acesso a documentos produzidos ou acumulados pelos órgãos de inteligência e de polícia política da Ditadura Militar (1964-1985), fornecendo elementos fundamentais para pensar as estratégias de invisibilidade levadas a cabo quanto a documentação construída durante o Regime. O evento de lançamento é aberto ao público e acontecerá, a partir das 17h, no Museu da Gente Sergipana.

A obra busca resgatar a história da produção desses documentos no âmbito da “comunidade de informações” coordenada pelo Serviço Nacional de Informações (SNI), bem como refletir sobre os desafios contemporâneos para a difusão pública dessas informações no Brasil. O livro discute ainda os aspectos históricos, políticos e jurídicos relacionados à liberação desses documentos, valendo-se, por vezes, de casos exemplares para ilustrar os limites do processo brasileiro de justiça de transição.
Segundo o autor, a escolha da Edise para a publicação do livro se deu porque a “Editora é reconhecida não somente pela qualidade técnica de suas edições, sempre muito bem cuidadas do ponto de vista editorial, mas também por sua atuação no campo do “direito à memória e à verdade”, afirmou.

Além disso, de acordo com Vicente, o Estado de Sergipe vive um momento especial, com os trabalhos da sua Comissão da Verdade, bem como as discussões para a regulamentação, em âmbito estadual, da Lei de Acesso à Informação. Para ele, “o livro reforça a contribuição da Edise para o debate nacional e ajuda, também, a explicar porque a memória sergipana do período da Ditadura Militar está em disputa, principalmente aquela memória registrada em documentos”, acredita.

O autor

Nascido em São Luís, estado do Maranhão, Vicente Arruda Câmara Rodrigues é mestre em Direito pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), membro do grupo de pesquisa do CNPq Trabalhadores e Ditadura Civil-Militar no Brasil (PUC-Rio) e do Laboratório de Estudos Teóricos e Analíticos sobre o Comportamento das Instituições (LETACI) – UFRJ. Atua profissionalmente como assessor da direção-geral do Arquivo Nacional para o tema Memória, Verdade e Justiça e é membro da Comissão de Altos Estudos do Centro de Referência das Lutas Políticas no Brasil – Memórias Reveladas.

Vicente Rodrigues é mestre em Direito pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Atua profissionalmente como assessor da direção-geral do Arquivo Nacional para o tema Memória, Verdade e Justiça

Oficina

Ainda no dia 19 de maio, a Comissão Estadual da Verdade – Paulo Barbosa de Araújo em parceria com o Projeto Memórias Reveladas/Arquivo Nacional realizará a oficina “Documentos (In)Visíveis – Conhecendo os arquivos do SNI”, a partir das 14h no Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe, localizado na Rua Itabaianinha n° 41. Centro/Aracaju. A oficina será aberta ao público e ministrada por Vicente Rodrigues e Inez Stampa, ambos membros do projeto Memórias Reveladas, do Arquivo Nacional.
De acordo com Andrea Depieri, membro da CEV, o objetivo da oficina é “apresentar aos pesquisadores sergipanos o projeto Memórias Reveladas e a documentação coletada pela CEV junto ao Arquivo Nacional, detalhando a estrutura do Serviço Nacional de Informação (SNI) e destacando as principais características dos documentos produzidos no período. Espera-se, com a oficina, incentivar a produção de pesquisas e trabalhos acadêmicos sobre a ditadura civil-militar em Sergipe”.

Deixe uma resposta