Em Aracaju único candidato a vereador pelo Partido da Mulher Brasileira é um homem

Na atual legislatura dos 24 vereadores apenas 2 são mulheres, ou seja, 8,33%, mesmo com o eleitorado feminino na cidade sendo 55% do total, ou 218.558 eleitoras

Foto1: Facebook Thiaguinho Batalha | Foto 2: PMB Oficial

Um fato curioso nos chamou a atenção analisando a lista de candidatos a vereador em Aracaju. O recém criado Partido da Mulher Brasileira (PMB) terá como único candidato ao cargo de vereador um homem.

O candidato é o empresário Thiaguinho Batalha, filho do jornalista Carlos Batalha, ex-secretário de Comunicação da prefeitura de Aracaju e atual presidente Empresa Municipal de Obras e Urbanismo (Emurb).

Thiaguinho Batalha compõe a coligação “Aracaju no rumo certo” (PRTB, PMB, PTC e PSB) e é base de apoio do candidato a prefeito Valadares Filho (PSB “Aracaju vai renovar”).

Sub-representação das Mulheres no Brasil e em Aracaju

Dos 513 deputados federais eleitos no Brasil em 2014, apenas 51 são mulheres (9,9%) que são mais da metade da população brasileira. Neste momento o Brasil ocupa o 123º lugar no ranking de presença de mulheres no Congresso, o que significa uma das últimas posições no mundo.

Em Aracaju, caso o Partido da Mulher Brasileira (PMB) eleja o seu candidato para a Câmara de Vereadores não contribuirá para alterar a realidade de sub-representação das mulheres nesta casa. Na atual legislatura dos 24 vereadores apenas 2 são mulheres, ou seja, 8,33%, mesmo com o eleitorado feminino na cidade sendo 55% do total, ou 218.558 eleitoras.

Os movimentos sociais defendem a garantia de instrumentos que possibilitem a ampliação da participação das mulheres na política, como, por exemplo, listas com paridade e alternância de sexo, fundamentais para a democratização do Estado, com reflexos positivos na construção de políticas para ampliar a autonomia das mulheres.

Crise de ideologia dos partidos

O Partido da Mulher Brasileira é 35ª legenda do país e é um bom exemplo da mais recente crise de ideologia que atinge os partidos. Apesar de defender o aumento da participação da mulher na política, apenas 2 mulheres compõem o quadro de 20 deputados federais.

Em entrevista concedida à revista Carca Capital, a pesquisadora Luciana Ramos, professora da Fundação Getúlio Vargas e autora de uma tese sobre a representação da mulher na política brasileira, afirmou que se fosse uma legenda séria, o PMB teria muito a fazer. “É um partido com pouca ou nenhuma ideologia. Diz que é a favor da inclusão das mulheres, mas também diz ser a favor da inclusão dos homens. Os homens já são incluídos. Qual o sentido disso?”

Deixe uma resposta