MST inicia Feira da Reforma Agrária em Aracaju

Cerca de 150 famílias de trabalhadores rurais sem-terra estão comercializando seus produtos até próxima quinta-feira

Foto: Márcio Garcez

Nesta terça-feira (24), iniciou a 5ª Feira Estadual da Reforma Agrária, na Praça Fausto Cardoso, em Aracaju. Diversos produtos vindos de assentamentos e acampamentos de Sergipe estão sendo comercializados diretamente com a população da capital. Promovida pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), a feira reúne cerca de 150 famílias assentadas e acampadas e seguirá até próxima quinta-feira (26).

Numa passada pelas barracas, os consumidores da grande Aracaju encontrará frutas, verduras, hortaliças, fitoterápicos, artesanato e comidas típicas. O movimento aposta na feira como uma oportunidade para dialogar com a população sobre a importância da Reforma Agrária e a produção de alimentos saudáveis.

Manoel Antônio, coordenador estadual do MST e do setor de produção, destaca a importância da divulgação da produção da Reforma Agrária e possibilidade de comercialização direta com o consumidor. “A feira tem como objetivo principal a divulgação da nossa produção e como organizamos o nosso sistema agrário, através de policultivos. É fundamental também essa possibilidade de venda da produção dos assentados diretamente para o consumidor”, explica.

“Aqui temos agricultores e agricultoras de todas as 5 regionais: Alto Sertão, Sul, Agreste, Norte e Metropolitana. Estas 150 famílias que estão aqui, representam as 12 mil famílias de assentados da reforma agrária e também as 8 mil famílias acampadas que lutam por um pedaço de terra”, complementou Monoel.

Foto: Márcio Garcez

Dona Dalva de Jesus, assentada no ‘Dom Helder Câmara’, em Estância, comercializa sua produção na feira desde a primeira edição. “É muito bom essa feira por que a gente trabalha, consegue vender o que produz e não passa pelo atravessador. Eu mesmo planto e trago para aqui. Sempre tem alguma coisa que eu não tenho e pego com algum vizinho, como a Laranja. E eu estive presente em todas as 5 feiras da Reforma Agrária e me sinto muito feliz por isso”, comemora Dalva.

Confira as fotos do 1º dia da 5ª Feira Estadual da Reforma Agrária >> https://goo.gl/APVo

Para o Defensor Público, Herick Argôlo, a feira representa um contraponto ao agronegócio. “Essa feira é muito importante pois representa uma superação de um tipo de produção que não interessa ao povo brasileiro. Que é a produção que se utiliza de agrotóxicos, que agride a nossa vida. Aqui temos uma produção de alimentos que representa a luta pela reforma agrária, que é uma luta histórica do povo. A feira mostra que é possível um outro tipo de produção e de projeto para o campo. O alimente saudável substitui o latifúndio e o agrotóxico do agronegócio”, afirmou.

Ato político

No início da noite, um ato político com a presença de autoridades e representantes de movimentos populares parceiros do MST marcou a abertura oficial das atividades.

O Secretário de Estado da Agricultura, Esmeraldo Leal, parabenizou o movimento pela iniciativa e destacou a importância da Reforma Agrária para a agricultura sergipana.

“A feira é um exemplo. Sabemos da força que a Reforma Agrária tem em Sergipe. Proporcionalmente Sergipe tem o maior número de famílias assentadas e acampadas no Brasil. Então aqui nós vemos a coisa mais importante da Reforma Agrária que é a luta por terra, por qualidade de vida, mas também pela produção. E a sociedade reconhece essa produção de alimentos como fundamental. Aqui está a riqueza do campo e é fundamental para a manutenção do movimento social e para mostrar a força da reforma agrária para a sociedade sergipana”, concluiu o secretário.

Noite cultural

Além da comercialização dos produtos, durante as noites de feira, atrações culturais sobem ao palco para animar os consumidores e feirantes.

A abertura da noite cultural ficou por conta de Ivan Siqueira, Café Sexy, Jiló e Chiko Queiroga e Antônio Rogério. Nesta quarta-feira (25) segue a programação cultural com Lari Lima, Caducha, André Lucas, Banda Manifestação e Tatua, o mensageiro do forró.

Compartilhar

Comunicador Popular, estudante de Pedagogia na Universidade Federal de Sergipe, apaixonado por Futebol e Política

Deixe uma resposta