Sabe qual é o significado do feriado de Corpus Christi?

Tapetes coloridos em São Cristóvão/SE Foto: Ascom/Secult

A comemoração de Corpus Christi é um dos dez feriados nacionais brasileiros. É nele que os católicos celebram o Sacramento do Corpo e do Sangue de Jesus Cristo, um dos sacramentos da Eucaristia. A comemoração ocorre após a Festa da Santíssima Trindade, sempre em uma quinta-feira, em alusão à Quinta-feira Santa, quando se deu a instituição deste sacramento. A data também pode ser calculada pelo domingo de Páscoa, já que é realizada 60 dias depois.

A celebração do Corpus Christi teve origem no século 13, mais precisamente em 1243, em Liège, na Bélgica, quando a freira Juliana de Cornion teria tido visões de Jesus Cristo que apontava não haver festas para honrar esse sacramento.

A Bíblia diz que que durante a última ceia de Jesus com seus apóstolos, ele teria mandado que celebrassem sua lembrança comendo o pão e bebendo o vinho, que se transformariam em seu corpo e em seu sangue.

E foi a partir da visão e da cobrança de Jesus, que a freira belga lutou para que houvesse um reconhecimento da data, que mais tarde ficou conhecida como Corpus Christi, quando, em 1264, o papa Urbano 4º consagrou a festa para toda a Igreja a partir da Bula Papal “Trasnsiturus de hoc mundo”.

A celebração de Corpus Christi consta de uma missa, procissão e adoração ao Santíssimo Sacramento. A procissão lembra a caminhada do povo de Deus, que é peregrino, em busca da Terra Prometida.

Além da missa e procissão, a tradição católica também tem o costume de enfeitar as ruas com grandes tapetes coloridos que formam desenhos que fazem alusão à figura de Cristo, do pão e do cálice.

A tradição da confecção do tapete surgiu em Portugal e veio para o Brasil com os colonizadores. Os desenhos utilizados são variados, mas enfocam principalmente o tema Eucaristia. No Brasil essa tradição foi ampliada, atingindo inclusive comunidades, bairros e até colégios.

Os tapetes confeccionados para a festa de Corpus Christi são feitos de materiais como serragem colorida, borra de café, farinha, areia, tampinhas de garrafas, flores e folhas.

Sergipe

Em São Cristóvão, quarta cidade mais antiga do país, todos os anos as ruas são enfeitadas com tapetes produzidos pela comunidade local, que começa as atividades no dia anterior, e segue com a produção até o fim da manhã do dia seguinte. A ação coletiva é liderada por Vânia Correia, que coordena há dez anos toda a confecção no município. Este ano o percurso deve chegar a 1.200m, montados com materiais como  pó xadrez colorido maravalha de madeira, sal grosso, tintas anelinas e borras de café.

Coordenada pela Paróquia Nossa Senhora da Vitória, a celebração conta com o apoio da Secretaria de Estado da Cultura (Secult), através da Diretoria do Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural (Dphac);  prefeitura local, por meio da Fundação João Bebe Água e da Secretaria Municipal de Educação; do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan/SE); e Centro de Cultura e Arte da Universidade Federal de Sergipe (UFS). “Nossa participação tem como intuito apoiar as manifestações artísticas e culturais para manter e preservar tradições culturais de Sergipe”, afirmou o diretor da Dphac, Marcos Paulo.

*Com informações do Portal Último Segundo

Deixe uma resposta