O mês de junho é o período mais esperado e festejado pelos nordestinos: a mística, a animação e a tradição dos festejos juninos representam o sentimento que permeia o coração deste povo, tão alegre, sofrido e lutador. É um símbolo da força e beleza da região Nordeste.

A cultura popular pulsa nas veias e jorra através das mais diversas manifestações, seja por meio da música, da dança, das quadrilhas, das cores, das fogueiras, como também por meio da culinária típica do período, proveniente da colheita do milho e do amendoim.

A festa de São João é uma celebração que possui origem pagã, na qual se comemorava o período da colheita e a deusa da fertilidade, sendo incorporada ao cristianismo com a ideia de chegada da boa nova e da esperança de semear o evangelho na figura de São João Batista, trazendo um sentido umbilicalmente associado à ideia de celebrar o plantio e a colheita. Tal festividade é trazida ao Brasil pelos portugueses, mas recebe a influência de todas as matrizes que formam o povo brasileiro (portugueses – indígenas – africanos), cada uma incorporando um novo elemento que resulta nesta fantástica combinação que tão bem representa o nosso povo.

Algo tão singular nasce de um povo igualmente singular. Um povo forte, criativo, fruto da miscigenação e gestado como um povo novo, que aprendeu desde cedo a lutar contra o desespero, a tristeza e até a morte com duas armas: o riso a cavalo e o galope do sonho. Era assim que Ariano Suassuna afirmava enfrentar a dura e fascinante tarefa de viver.

E (sobre) viver em nosso país não tem sido tarefa fácil. Precisamos refundar o Brasil através de um projeto de país pensado para e pelo nosso povo. Um projeto popular para o Brasil que seja inspirado em nossa cultura popular. Daí surge uma interessante iniciativa e ferramenta de organização e luta da classe trabalhadora: a Frente Brasil Popular.

Recentemente, a FBP lançou um plano popular de emergência para o Brasil, que nada mais é senão um projeto popular de país, com saídas para a crise que não afetam os trabalhadores e reformas estruturais necessárias para a mudança nas condições de vida do povo. Ao mesmo tempo, tem construído uma agenda de lutas, a exemplo da próxima Greve Geral, marcada para o dia 30 de junho (sexta-feira), que possui como objetivo barrar os projetos de lei que versam sobre a reforma trabalhista e da previdência, bem como defender as Diretas Já, para que o povo escolha um presidente que tenha legitimidade e o represente de fato.

SAIBA MAIS

Acompanhe a cobertura em tempo real da Greve Geral em Sergipe

No dia 28 de abril do corrente ano, vivenciamos a maior greve geral do Brasil e o maior ato da história de Sergipe. Esperamos que a simbologia do mês de Junho aqueça os corações e reacenda a esperança do povo nordestino e sergipano, que não foge da fera e enfrenta o leão, com ousadia, alegria e a simpatia que lhes são típicas, participando da Greve Geral do dia 30 de junho massivamente.

Deixe uma resposta