A Expressão Sergipana comemorou 2 anos de comunicação popular no último dia 30 de junho. Batendo recordes de acesso ao seu portal, vem se consolidando como uma mídia independente e alternativa recheada de sergipanidade.

As principais mídias sergipanas pertencem a poucas famílias, e como acontecem em outros estados brasileiros, representam grupos políticos e econômicos que controlam há anos importantes setores no estado. O reflexo disso, são informações divulgadas a população que apresentam apenas um lado da nossa realidade, o lado que interessa aos mais poderosos. Temos diversos exemplos em que governantes interferem nas pautas dos principais jornais impressos e televisivos (pertencentes às suas famílias), para impedir que sejam veiculadas notícias que desgastam seus mandatos.

Neste sentido, a Expressão Sergipana vem cumprindo um importante papel, com ética, responsabilidade e compromisso com a população e com as informações prestadas. Uma visão popular do estado de Sergipe e da realidade brasileira, construída coletivamente por vários sujeitos e movimentos que batalham cotidianamente pela melhoria das condições de vida do nosso povo resgatando as nossas tradições e valores, ressaltando os elementos da cultura sergipana.

Em todos os cantos do estado as pessoas têm correspondido a esse trabalho e percebido o empenho em fazer uma comunicação diferente. Uma prova disto, foi o sucesso de acessos em um único dia, justamente durante a cobertura da Greve Geral no dia de seu aniversário. Semelhante ao que ocorreu na greve geral de 28 de abril, os sergipanos e sergipanas não arrefeceram e com grande adesão demonstraram a capacidade desse povo lutador de se opor a toda e qualquer manobra para a retirada de seus direitos. A elite empresarial tentou de todas as formas impedir o sucesso da greve e a organização dos trabalhadores e trabalhadoras, utilizando principalmente os aparatos judiciais, mas resistindo às intimidações, a mobilização se interiorizou e teve efeitos positivos ainda maiores que a greve anterior.

Muitas pessoas se perguntam sobre os motivos da greve ser um instrumento positivo. Infelizmente, no sistema em que vivemos, o capitalismo, só quando os efeitos são sentidos na economia é que os poderosos começam a escutar as pessoas que realmente trabalham e fazem toda a engrenagem andar. É preciso mostrar que também temos força para que percebam que a retirada dos nossos direitos trabalhistas e previdenciários não pode ser apresentada como uma solução mágica para essa crise econômica, política e social que vivemos no Brasil. Para que alguns não percam suas margens de lucros e a economia volte a crescer, outros teriam que trabalhar mais horas, com menores salários, menor tempo de descanso e durante toda a vida, impactando suas qualidades de vida e saúde. Parece óbvio que esse modelo não atende a maior parte das pessoas que aqui vivem.

O objetivo de um país forte deve ser cuidar de sua população para que viva bem.  Este papel está sendo totalmente desvirtuado e não temos visto essa preocupação por parte desse governo ilegítimo instalado para ser impopular e cortar os principais programas sociais implementados nos últimos períodos.

Se o povo sergipano não se manifestar, não impactar a produção e chamar realmente a atenção para a situação que vive o estado, quem fará isso por nós?  Temos uma imensa capacidade de resistência e luta, evidenciadas pela nossa história de independência e construção da nossa identidade sergipana. No próximo dia 08 de julho comemoramos o dia em que o menor estado do Brasil se ergueu e não se rendeu aos poderosos. Nossa referência e tradição é de povo lutador e essa sempre será a verdadeira expressão sergipana.

Vida longa à comunicação popular, vida longa à Expressão Sergipana!

Compartilhar

Deixe uma resposta