Vandalismo foi o que fizeram com a legislação trabalhista

Foto: SD

*Por Rubens Marques 

Os empresários sergipanos fizeram ato em solidariedade ao Deputado Federal Laércio Oliveira (SD), na segunda-feira (04) em resposta a manifestação da classe trabalhadora realizada na sexta-feira dia 31 de março, contra as reformas da morte e a aprovação do PL da terceirização.

Farei aqui alguns esclarecimentos antes de discorrer sobre as minhas impressões referente ao ocorrido:

1. A data da manifestação da classe trabalhadora em Sergipe no dia 31 de março (data do golpe civil-militar) foi escolhida para denunciar não somente o golpe de 64 mas também o de 2016.

2. O protesto que iniciou na Praça General Valadão se dirigiu até a MULTSERV, quartel general da terceirização, que tem como dono o Deputado Federal e empresário, Laércio Oliveira (SD);

3. Laércio Oliveira foi o relator do PL da terceirização que destruiu conquistas históricas da classe trabalhadora.

Dito isto, vamos as minhas ponderações sobre as lamúrias dos representantes da FECOMÉRCIO: primeiro o Sr. Marcio não sabe contar, uma vez que ele disse que a manifestação tinha 500 pessoas, quando na verdade tinha mais de 5 mil. Ele disse também que a democracia foi ferida e rasgada com uma faca, e quanto a essa fala pergunto: se uma pichaçãozinha foi capaz de causar danos a democracia, o que dizer do golpe contra Dilma? Quero lembrar que o deputado-empresário Laércio Oliveira mesmo sabendo que Dilma era inocente votou a favor do “impeachment”.

O Sr. Marcos esqueceu de dizer que os empresários do sul e sudeste financiaram as manifestações para derrubar uma presidenta eleita democraticamente e durante as passeatas principalmente em SP e RJ houve destruição do patrimônio público e privado. A Avenida Paulista se transformou numa praça de guerra comandada por gente branca de olhos claros que moram em apartamentos de luxo. Isso sim é vandalismo.

Eu participei do ato e não vi ninguém quebrando carro nem furando pneu, portanto num país que sabotou um governo democrático, não me assusta se algum infiltrado pelos patrões cometeram excesso para incriminar os manifestantes.

Os golpistas se enganaram ao calcular que iriam destruir as conquistas trabalhistas e a classe trabalhadora não iria reagir. Laércio Oliveira, André Moura e os demais deputados que votaram a favor da terceirização na atividade fim levaram o Brasil de marcha ré ao século XIX.

Eu pago pra ver os deputados estaduais e vereadores pedirem voto para quem golpeou o povo em Brasilia ao apoiar as reformas e a terceirização, que na verdade foi uma mini-reforma trabalhista.

Os golpistas inimigos do povo fiquem espertos porque o interior também tá mobilizado inclusive a cada dia acontece uma audiência pública com participação de camponeses, servidores públicos, trabalhadores do setor privado etc. para debater os ataques aos direitos da classe trabalhadora.

Nunca é demais lembrar que boa parte dos deputados e senadores que votaram pela derrubada de Dilma, hoje estão encrencados na operação Lava Jato como larápios.

Dia 28 de abril faremos mais um grande ato, que tem tudo pra ser o maior da história de Sergipe.

*Por Rubens Marques (Professor Dudu) é presidente da Central Única dos Trabalhadores em Sergipe (CUT-SE)

Compartilhar

1 COMENTÁRIO

Deixe uma resposta